13 janeiro 2009

Maquete da AMFEC

A AMFEC - Associação de Modelismo Ferroviário de Campinas - foi fundada em 2007 por um punhado de marmanjos que gostam de trenzinhos ;^). Sua primeira diretoria, e que atualmente está em seu segundo mandato, conseguiu o incrível feito de sair do zero e construir uma das maiores maquetes de que tenho notícia no Brasil. São centenas de metros de trilhos bitola 16,5mm concebida para rodar trens na escala H0 (embora eu pretenda rodar composições 00 - 1:76, só pra contrariar :^). Ela ainda não está pronta, é claro, como você poderá conferir nas fotos deste post, mas já conta com várias linhas operacionais, sistema de DCC instalado, AMVs operados por DCC e funcionamento slow motion, além de outros bordados tecnológicos.

Quando me associei no início de 2008 (depois de um looooongo tempo afastado do hobby), a maquete já tinha todas as bancadas prontas e instaladas e o assentamento dos trilhos já estava nos finalmentes. Minha contribuição ficou por conta de ajudar no paisagismo, pintura e envelhecimento, já que tinha alguma vocação artística. Comecei pintando e envelhecendo uma ponte de pedra da Faller. O resultado ficou bom e aí me fizeram o "pintor oficial" da turma :^) Muito legal pois é justamente lidar com tintas, cores e formas o que eu mais gosto de fazer na maquete da AMFEC.

Um dos trabalhos prioritários era definir o paisagismo da área da ponte de madeira treliçada, pois sem finalizar o paisagismo dessa área a ponte não poderia ser instalada e a linha não poderia ser utilizada. Sugeri o uso de grama estática em toda a maquete e para demonstrar seu alto grau de realismo, construí um aplicador e fiz um pequeno teste logo atrás da tal ponte (primeira foto do post). Outra vantagem da grama estática é a possibilidade de fazer capim alto em grandes áreas: até hoje não achei nada que representasse melhor esse tipo de vegetação. As cores ainda precisam ser ajustadas, talvez com aerógrafo ou drybrush... Me pergunto se há outras maquetes no Brasil que utilizem esse material.

Outro troço muito legal em matéria de paisagismo é a utilização de espuma de poliuretano como enchimento de áreas de floresta fechada. Ficaria desnecessariamente caro e demorado fazer florestas com árvores completas, então apliquei a tal espuma em pontos estratégicos do vale atrás da ponte treliçada e pintei de verde. Depois do susto da galera e de muita zoação (coco de vaca fora de escala foi a mais leve :^) e com a ajuda dos demais associados, fui aplicando a vegetação (Foliage Clusters da Woodland Scenics) sobre a espuma com cola branca. Depois de recobertos com a vegetação, estes pontos de floresta receberão árvores completas ao redor, para aumentar o realismo de cada bosque e eliminar a aparência Teletubies que a área parece ter agora :^).

A geografia da maquete já estava definida quando comecei os trabalhos de paisagismo, mas mesmo assim não há projeto bem pensado que consiga evitar mudanças de última hora. Acrescentamos, sempre com a aprovação do diretor da maquete e dos demais colegas, morros, barrancos, cortes e outros acidentes geográficos e obras de arte que não estavam no script. Um deles que está ficando particularmente interessante é o corte no morro imediatamente anterior à ponte treliçada.

Originalmente era pra ser um túnel. Sugeri um corte, pois já havia mais de uma dúzia de outros túneis espalhados pela maquete, além do fato de ser o alto de uma serra, muito apropriado para se fazer um corte.

O corte em curva apresentou alguns desafios interessantes. As paredes eram em curva, então as fiz, com a ajuda do Denilson Sanaiotti, com espuma flexível. As rochas fizemos com gesso, moldadas em moldes de borracha da Woodland. A coloração deu trabalho: tentei duas vezes e só na terceira ficou razoavelmente realista. O resultado você confere nas fotos acima.

Algumas das maiores pontes da maquete foram feitas do zero pelo presidente da associação, Marco Aurélio e seu pai, e pintadas e envelhecidas por mim e Paulo Vitale, diretor da maquete. Elas podem ser apreciadas na foto acima: a primeira, uma ponte em curva de concreto e a segunda, logo em seguida, também de concreto, mas em arcos e comportando duas linhas. Esta ponte deu um trabalhão e envolveu em sua construção e acabamento o Marco, o Paulo, eu e o Pedro Etter.

Mas de longe o trabalho individual mais primoroso (e penoso) da maquete até agora foi o que o masoquista-mor da turma, Paulo Vitale fez para o deleite de todos os associados. Vareta a vareta, num típico trabalho de chinês condenado, o Paulo construiu o que sem dúvida será o xodó, o brinco da princesa, a menina dos olhos da maquete: a ponte treliçada em madeira. Ela descreve uma curva (o que per si já aumenta consideravelmente o trabalho da construção) por sobre um dos maiores penhascos da maquete, um túnel duplo e finalmente a saída (3 linhas) do pátio principal (9 linhas). Quando ela estiver instalada, dedicarei um post só pra ela.

O Ferromodelismo é uma atividade multi-diciplinar, é preciso entender e saber fazer um pouco de tudo. Na AMFEC temos a sorte de ter entre nós pessoas muito talentosas e que entendem muito (ou estão dispostas a aprender muito) de eletrônica, de marcenaria, de modelagem com gesso, com plástico, com madeira e metais. Gente como o Chico Trem, que sai de Jaguariúna de ônibus e chega cedinho pra ajudar a todos. O Val que sabe tudo de DCC e topou quebrar a cabeça pra deixar o sistema digital da maquete nos trinques. O Paulo Filho que conhece eletrônica como nenhum outro. O Adriano, o Denilson, o Mozart Franco, o Paulo Sérgio, o Celso Rede, O Bim-Bim, o Rafael Clever, o Luís Astiarraga, o Flávio Fernandes, o Ademir e todos os outros sócios que semanalmente comparecem na associação para ajudar no que puderem. O que um não sabe, outro sabe e ajuda. E assim vamos trabalhando para, se o Cara lá em cima quiser, inaugurar a maquete ainda no primeiro semestre de 2009. Prazo meio apertado, mas como diria o comercial da Adidas "Impossible is Nothing" :^).

A maquete está sendo construída na antiga cabine de controle Nº2 do pátio central de Campinas. A vista é privilegiada e deslumbrante para um ferrofã: de um lado a enorme plataforma de embarque da antiga estação ferroviária central de Campinas (Cia Paulista). Do outro a majestosa oficina da Cia Mogiana, um prédio belíssimo. À frente o antigo pátio da Paulista (infelizmente sem uso ferroviário) e por onde ainda passa, quase raspando a cabine, uma linha da larga utilizada pela MRS que nos brinda, todos os sábados, com várias composições de carga, subindo e descendo o corredor para o porto de Santos.

Pretendo ir publicando o progresso da construção sempre que for possível e tutoriais sobre algumas das técnicas utilizadas na maquete da AMFEC, então fique ligado. Pra não perder esse trem, inscreva seu email na caixa "Novidades via Email" do blog.

Veja um álbum de fotos da cosntrução da maquete num outro post.

E se quiser conhecer mais das minhas fotos, é só visitar meus álbuns no Flickr.

Adoraria publicar aqui no Minitrem reportagens sobre a maquete da sua associação. Entre em contato! Não importa o tamanho nem o quão finalizada ela está. O que vale é o quanto a maquete pode dizer a respeito do amor do seu grupo por minitrens!

22 comments:

José Luiz Affonso disse...

Olá, gostaríamos de reproduzir este texto na Revista Hobby News. Se possível, por favor, nos informe o autor do texto e das fotos postadas.

Agradecemos a atenção

José Luiz Affonso
revista@hobbynews.com.br

Anônimo disse...

Alex, você já conhece o site abaixo?
http://www.sceneryexpress.com/default.asp
Tem muita coisa boa para cenários nessa loja. Eu mesmo já comprei muito deles pela Internet...

Agenor

Alex Leão disse...

Olá Agenor,

Obrigado pela dica. Eu já conhecia (adoro os produtos da Silflor :^) mas foi muito bom você ter postado esse comentário, pois assim outras pessoas terão contato. Valeu!

Filipe disse...

também sou fã dessa área do modelismo, e gostei mt do trabalho de vocês!
parabéns!
gostaria de saber uma coisa:
como vocês fizeram a grama estática da primeira foto??
gostaria de tentar fazer num projeto que estou começando...
Obrigado!!! :D

ldfelippin2008 disse...

Meu nome Luis D. Felippin, cidade de Socorro-SP. (ldfelippin2008@hotmail.com).
Gostaria de saber como´foi feita a grama estatica pois só estou usando pó de serragens, e gostaria de saber se para contruir um lago ou rio existe outro produto que não seja a resina de poliester.

Alex Leão disse...

Olá Filipe e Luis,

Obrigado pelo contato e por visitar meu blog. A grama estática é comprada, não dá pra fazer... Usamos a grama estática da Woodland Scenic (você pode comprar da Brasil hobbies - http://www.brasilhobbies.com.br). Precisa de um aplicador especial pra deixar ela em pé.

A água pode ser feita até com cola branca... basta ir testando pra ver o resultado é o que você espera. Mas o melhor resutado que conheço é também a água da Woodland Scenic.

Grande abraço,

Anônimo disse...

estou tentanto ajudar meu filho de 9 anos a fazer uma simples maquete para escola. como posso fazer árvores (vi em umm site, mas nao tinha audio e nao entendi os materiais) obrigada.

Anônimo disse...

amei estao lindas as maquetes

Anônimo disse...

sobre a ponte de treliça, posta pra gente com mais detalhes, itatesouraria@uai.com.br por favor (?) obrigado

xap disse...

Gostei muito do trabalho queria saber mais detalhes sobre agrama estatica pois não conheço este produto. obrigado.
Alexandre Pulz.
xandipulz@hotmail.com

Alex Leão disse...

Olá Alexandre, em breve vou pstar um tutorial sobre grama estática. Fique ligado.

JAMES LOBO disse...

Alex, a maquete da AMFEC é de botar água na boca. Meus parabéns a todos os associados. Estarei sempre de olho em teu blog. Já me inscrevi no e-mail. Abraços.

Anônimo disse...

Ola senhores ferreomodelistas!!!!! Parabéns pelo incrivel trabalho!!! por acidente, procurando dicas de como detalhar o paisagismo das maquetes encontrei este fascinante trabalho sendo desenvolvido por vcs!!! entrei neste hobby faz pouco tempo, porem, tenho dedicado uma boa parte do meu tempo (q nao é muito rsrs) a esta arte!!!e o resultado esta me surpreendendo visto q nunca tinha feito isso antes. Porem tenho encontrado algumas dificuldades na parte da vegetaçao, arbustos mais altos, arvores etc gostaria de obter algumas dicas se for possivel a respeito disto!!! Mais uma vez cumprimento-vos pelo belissimo trabalho e visitarei mais vezes este blog para saber das novidades
Abraço a todos!!!

Alex Leão disse...

Olá e obrigado pelas palavras. Fique atento às novas postagens aqui no blog, pois eu pretendo colocar muitos tutoriais sobre paisagismo em maquetes ferroviárias.

Anônimo disse...

Agradeço a resposta Alex!!! fico na aguardo de novidades!!! gostaria de enviar-lhe se possivel algumas fotos que tirei de minha maquete para que voce pudesse, se possivel, analisar e comentar sobre o trabalho que estou tentando desenvolver ok?
Abraçoc

Alex Leão disse...

Vou adorar ver suas fotos. Envie para: alexleao arroba gmail ponto com.

Anônimo disse...

Sou bis neto e neto de maquinista e guarda trem da cia paulista de estradas de ferro, sou apaixonado por ferreomodelismo, ta no sangue.
Gostaria de saber como faco para me tornar socio do clube. meu e mail e : rodrigo.massimo@gmail.com

Anônimo disse...

boa noite, fantástico.

gostaria de saber, quem poderia fazer, terceirizar uma maquete n?

meu nome é luciano, estou em sp/sp.

muito obrigado

Alex Leão disse...

Olá Luciano,

você escrever para mim no email alexleao arroba gmail ponto com.

Daniel Kramer disse...

Olá, gostaria de saber como faço para conhecer a AMFEC e me associar.
Meu e-mail é dkramer@ig.com.br
Grato

Anônimo disse...

eu tenho q fazer uma maqte de um morro com q eu osso fazer

Diego Miranda disse...

Olá Alex ... primeiramente parabéns pelo trabalho no blog ... show de bola ... mais eu gostaria igualmente a um comentario feito .. sobre a ponte de treliça tem alguma dicas que você pode ta dando pra gente nesse aspecto ... desdede já agradeço pelas dicas postadas ... abraçãooo

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails