25 março 2010

Escala Z: ferromodelismo em 1:220

É difícil acreditar que as cenas ao longo deste post tenham a escala 1:220 não é mesmo? Note os detalhes da composição, a textura das rochas, a ferrugem na ponte, a água maravilhosamente modelada, o envelhecimento do material rodante. É possível perceber o prazer com que foi modelada, através da atenção a cada mínimo detalhe. É sem dúvida algumas das cenas mais realistas que eu já vi em toda a minha vida de modelista... seja em que escala for. Tudo isso numa área pouco maior que a de uma folha de papel sulfite...

A escala Z foi criada pela alemã Maerklin em 1972. Recebeu este nome, Z, por tradição em se utilizar letras para designar escalas do ferromodelismo e porque a Maerklin não acreditava que fosse possível ir além, industrialmente falando, na miniaturização de trens elétricos: Z seria o ponto final na miniaturização de ferromodelos, assim como o é no alfabeto. Em 2006 a japonesa KK Eishindo lançou seu trem em 1:450 e desbancou a Maerklin como a fabricante do menor trem elétrico do mundo...

Além da Maerklin, diversos fabricantes ajudam a tornar a vida do modelista um pouco mais fácil ao desenvolverem produtos na escala Z. Por exemplo, quem quiser substituir o horrível engate Maerklin por um mais realista, saiba que a americana Micro-trains produz engates automáticos (semelhantes aos da Kadee) na escala 1:220 que podem ser adaptados às locomotivas Maerklin. Além disso fabrica sua própria linha de locomotivas (incluindo as populares SD40-2), trilhos e vagões de vários tipos. A American Z Line também investe no mercado Z, fabricando desde locomotivas (que tal uma SD70?) à vagões e acessórios. Enfim, hoje em dia está muito mais fácil modelar em Z.

1:220 ainda é uma escala bem incomum, mesmo em nível mundial. Mas já revela grandes mestres, como o americano John Cubbins, que produz dioramas sob encomenda (os dioramas do Jürg Rüedi, que ilustram este post, foram construidos por John Cubbin). Há também foruns, blogs e outros sites espalhados pela Internet e que ajudam a pequena comunidade Z a se tornar mais e mais coesa.

Para se ter uma noção do tamanho do material em escala Z, observe a imagem abaixo. Começando pela esquerda temos várias locomotivas F7 nas escalas Z (1:220), N (1:160), H0 (a mais popular em 1:87), S (1:64), 0 (1:48) e G (normalmente em 1:29). Para entender melhor a nomenclatura das escalas consulte a tabela de escalas e bitolas do ferromodelismo.

Fotos e modelos de Jürg Rüedi (exceto a imagem da comparação de escalas). Dioramas construidos por John Cubbin do Ztrains.com.

Veja também uma materia especial com o Ronaldo Pereira Vaz, mestre da escala Z no Brasil. Ele venceu o desafio de modelar em Z num país que mal conhece esta escala, construindo seus próprios modelos, num trabalho de fazer inveja a qualquer gringo!

0 comments:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails